Espacios. Vol. 34 (4) 2013. Pág. 7


Um Levantamento Exploratório sobre o tema Gestão Ambiental no Setor da Construção

An Exploratory Survey on the topic Environmental Management in the Construction Industry

Lucila Maria de Souza Campos 1, Andréa Cristina Trierweiller 2, Antonio Cezar Bornia 3, Danielly Nunes de Carvalho 4, Thiago Henrique Silva dos Santos 5 e Blênio Cezar Severo Peixe 6

Recibido: 23-11-2012 - Aprobado: 11-02-2013


Contenido

Gracias a sus donaciones esta página seguirá siendo gratis para nuestros lectores.
Graças a suas doações neste site permanecerá gratuito para os nossos leitores.
Thanks to your donations this site will remain free to our readers.

RESUMO:
O objetivo deste artigo é analisar a publicação científica sobre gestão ambiental no setor da construção em periódicos nacionais e internacionais, em língua portuguesa e inglesa e identificar oportunidades de pesquisa. Classifica-se como uma pesquisa bibliográfica com recursos tecnológicos para indexação dos artigos. Procedeu-se à análise sistêmica com a identificação de características de interesse relativas à gestão ambiental no setor da construção. Dentre os resultados, tem-se: artigos e autores mais citados; barreiras e dificuldades para implementação da ISO 14001 no setor. Observou-se a tendência em abordar o assunto “ISO 14001” nos artigos de língua inglesa; outros temas dizem respeito ao Sistema de Gestão Ambiental (SGA) na construção Civil e Gestão de Resíduos. A maioria dos artigos do portfólio coloca os custos como a maior barreira para implementação do SGA; além da falta de pessoal qualificado e de conhecimento sobre os benefícios da ISO 14001. Uma dificuldade encontrada é associar questões de gestão ao SGA, em que as empresas necessitam abordar a gestão ambiental, em nível de projeto, estrutura e organização.
Palavras-chave: Sistema de Gestão Ambiental, SGA, Setor da Construção, ISO14001, Bibliometria.

ABSTRACT:
This article aims to analyze the publication on the topic environmental management in the construction sector in national and international journals, in English and Portuguese languages and identifying opportunities of research. It is a literature research that uses technology to indexing of articles. It was identified features of interest relating to environmental management in the construction sector based on systemic analysis. In the results, we have: articles and most cited authors; barriers and difficulties in implementation of ISO 14001 in the sector. There is the tendency in to approach the subject ISO 14001 in English articles, others themes relate to Environmental Management System (EMS) in Civil Construction and Waste Management. The majority of articles on portfolio presents the cost as the biggest barrier to EMS implementation, and yet, the lack of qualified staff and knowledge about the benefits of ISO 14001. One difficulty is associated management issues to the EMS, where firms need to address environmental management at the project level, structure and organization.
Key Words: Environmental Management System, EMS, Construction Sector, ISO14001, Bibliometrics.


1. Introdução

O tema Gestão Ambiental tem despertado interesse crescente no meio empresarial e acadêmico. Empresários e pesquisadores buscam compreender o tema, para assim, melhor abordar os assuntos ambientais nas operações de produção. Neste contexto, setores específicos da economia, como o setor da construção civil – que representa um impacto ambiental significativo, pelos tipos de materiais que usa e pelas próprias características de sua operação – são vitais no estudo das questões ambientais.

O setor da construção (Building and Construction Sector – B&C) é parte fundamental de muitas economias globais, pois seu resultado permite a operação e ampliação de outras indústrias. O setor contribui de forma significativa, com o PIB – Produto Interno Bruto, na maioria dos países, além de outros indicadores, colaborando para a geração de muitos postos de trabalho (Testa et. al. 2011). E ainda, é responsável pela construção de infra-estruturas fundamentais, tais como: estradas, ferrovias, barragens, habitação, prestação de serviços públicos, contribuindo com a qualidade de vida da sociedade (SEOPAN, 1992).

Portanto, levantamentos exploratórios para analisar a produção dos pesquisadores em periódicos científicos (nacionais e internacionais) são relevantes, permitindo vislumbrar um panorama sobre o tema em estudo, neste caso, a gestão ambiental no setor da construção. A produção científica no Brasil tem passado por incrementos, tendo como um de seus motivos, a expansão dos cursos de pós-graduação e a consequente exigência por produtividade, decorrentes da Coordenadoria de Aperfeiçoamento do Ensino Superior (CAPES). Dessa forma, levantamentos de referencial teórico (a exemplo de estudos bibliométricos) são fundamentais para situar os pesquisadores quanto à produção científica mundial sobre o tema com base na análise dos autores mais citados, das instituições a que são filiados, dentre outras possibilidades que a bibliometria oferece.

Nesse sentido, este artigo tem o objetivo de analisar a publicação sobre o tema gestão ambiental no setor da construção em periódicos científicos nacionais e internacionais, consequentemente, em língua portuguesa e inglesa para, a partir desse levantamento, identificar oportunidades de pesquisa no tema.

O artigo está estruturado da seguinte forma: (1) Introdução; (2) Revisão Bibliográfica e Análise sistêmica (A importância do setor da construção, Sistemas de Gestão Ambiental no Setor da Construção); (3) Método de Pesquisa; (4) Análise e Discussão dos Resultados – tópico este que aborda a apresentação de tabelas e gráficos, em que constam: definições, abordagem metodológica das pesquisas, artigos mais citados; (5) Conclusão e Referências.

2. Análise sistêmica

O objetivo da análise sistêmica é identificar características de interesse relativas ao tema (sistema de gestão ambiental no setor da construção) nos artigos do portfólio. Foram analisados nos 23 artigos, aspectos teóricos relacionados ao sistema de gestão ambiental e ao setor da construção, são eles: a importância do setor da construção, certificações, sistemas de gestão ambiental, além de definições e elementos constituintes com o objetivo de identificar oportunidades de pesquisa.

Turk (2009) recorre a Zeng et. al. (2003) para reforçar que o setor da construção fornece facilidades para as atividades humanas e estimula o desenvolvimento social, porém o impacto ambiental das atividades, produtos e serviços da construção é bastante significativo (Ofori et. al. 2000). Seu produto, em se tratando de ciclo de vida, é responsável por 20 a 35% dos impactos de todos os produtos dentro das principais categorias de impacto ambiental, como: aquecimento global, depleção abiótica, toxidade humana e redução da camada de ozônio (Tukker et. al. 2006). Esse setor é um dos principais consumidores de recursos não renováveis, contabilizando em torno de 30 a 40% do consumo de energia global (UNEP, 2007) bem como uma importante fonte de resíduos. Além de provocar a poluição da água e do ar, levando ao desmatamento (UNEP, 1996).

E ainda, Geipele e Tambovceva (2011) recorrem a Kein et. al. (1999) para salientar que a indústria da construção não é de modo inerente, um processo ambientalmente amigável, pelo contrário, tem um grande impacto ambiental. Estima-se que o setor contabiliza cerca de 40% dos materiais utilizados na economia mundial por ano e 25% do uso de madeira (KEIN et. al. 1999). Para Geipele e Tambovceva (2011) grandes volumes de resíduos resultam da produção, transporte, uso de produtos e materiais de construção. Fica evidente que as firmas da construção necessitam usar uma abordagem sistemática para a gestão ambiental.

Muitas oportunidades estão disponíveis não apenas para reduzir os impactos, mas também para aumentar a vantagem competitiva. Porém, a melhoria contínua do desempenho ambiental, torna-se cada vez mais difícil e onerosa [...]. Os custos diretos e indiretos associados com a ineficiência energética, resíduos, poluição e publicidade negativa afetam seriamente a vantagem competitiva das empresas do setor (Fergusson, Langford, 2006).

Observa-se que as empresas da construção necessitam de uma abordagem sistêmica à gestão ambiental, em nível de projeto, estrutura e organização (Srdic, Šelih, 2011). No nível da organização, esta pode ser realizada por meio do estabelecimento de uma estrutura formal que implementa a gestão ambiental, ou seja, um Sistema de Gestão Ambiental (SGA). Um SGA é uma parte do sistema de gestão da organização que visa gerenciar os aspectos ambientais relacionados com as atividades da organização, produtos e serviços (Perotto et. al. 2008; Campos, Melo, 2008). Porém, Gluch et. al. (2009) salienta que as práticas ambientais não estão embebidas na cultura do projeto; ou seja, é um desafio para a indústria da construção, alinhar as estruturas permanentes da organização – a exemplo de um SGA – com a organização temporária (projetos). A lacuna entre a organização e seus projetos causa contradições que afetam negativamente a forma pela qual os objetivos ambientais de longo prazo são entendidos e implementados nos projetos.

Essa situação é confirmada por Gluch e Räisänen (2012), que conduziram um trabalho com o objetivo de analisar as inter-relações entre a prática de projeto e da gestão ambiental. Com base no estudo de caso de duas grandes empresas de construção da Suécia (IntCon e NorCon), ambas comprometidas estrategicamente com o seu “esverdeamento”, certificadas ISO 14001 e seguidoras do padrão GRI (Global Reporting Initiative). Os resultados mostraram como as novas práticas de gestão ambiental eram inerentemente contraditórias com a cultura dos projetos. Como resultado, os membros do projeto e os, da organização se esforçavam no alcance de diferentes objetivos e focos. Assim, a gestão precisa criar arenas onde os membros das duas unidades possam alinhar práticas e mesclar rotinas.

Verifica-se que, os estudos sobre gestão ambiental no setor da construção civil são insipientes, com apenas 4 artigos em língua portuguesa, resultado da busca para formação deste portfólio. E ainda, desses 4 artigos, 2 tratavam diretamente sobre gestão de resíduos e os outros 2, tinham um cunho social, um deles voltado para a construção de habitações sustentáveis e o outro, sobre a participação das pequenas empresas do setor da construção civil em ações socioambientais.

Turk (2009) destaca que as empresas da construção em todo o mundo estão, cada vez mais, buscando obter a ISO 14001 e isso também ocorre na Turquia. Esse setor, como uma atividade, é classificado no NACE (Nomenclatura Generale des Activites Economiques dans I'Union Europeenne ou General Name for Economic Activities in the European Union) e é baseado no padrão europeu de classificação da indústria. No Grupo F há 3 subgrupos: construção de edifícios (F41), engenharia civil (F42) e atividades especializadas de construção (F43). O autor considerou esses 3 subgrupos e concluiu que, a certificação ISO 14001 contribui para as empresas de construção turcas, não só em termos de benefícios ambientais, mas de gestão empresarial e de comercialização (Turk, 2009).

Turk (2009, p. 560) recorre a Weaver (1996), Mori e Welch (2008) e Delmas (2002) para definir a ISO 14001:

[...] conjunto de diretrizes pelas quais uma instalação pode estabelecer ou reforçar a sua política ambiental, identificar os aspectos ambientais de suas operações, definir objetivos e metas ambientais, implementar um programa para atingir metas de desempenho ambiental, monitorar e mensurar a eficácia, corrigir deficiências e problemas e rever seus sistemas de gestão para promover a melhoria contínua (Weaver, 1996).

A ISO 14001 articula um conjunto de passos que as organizações devem realizar para obtenção da certificação: definição de uma política ambiental; identificação dos aspectos ambientais das atividades de produção e serviços, estabelecimento de claras metas e objetivos ambientais; criação de planos de execução, implementação real, monitoramento, avaliação e revisão periódica de gestão. Certificação e conformidade contínua com as normas e ainda, exige uma série de auditorias (Mori, Welch, 2008; Delmas, 2002).

Testa, Iraldo e Frey (2011) salientam que o setor da construção tem estado sob ameaça de perder sua competitividade como resultado da extensiva política, regulações ambientais e do consumo de energia. Como resultado da pesquisa uma regulação ambiental mais rigorosa, mensurada pela freqüência de inspeção, estimula os investimentos em equipamentos tecnológicos avançados, produtos inovadores e o desempenho da empresa. Além disso, uma "regulação direta" bem concebida parece ser o instrumento mais eficaz para impactar positivamente as políticas ambientais quanto à inovação e desempenho intangível enquanto que, os instrumentos econômicos afetam negativamente o desempenho do negócio.

A gestão ambiental tem sofrido profundas transformações. Porém, observa-se tanto empresas que atuam com foco em ações reativas, de controle da poluição quanto as, que realizam investimentos em novos produtos e tecnologias, com uma postura pró-ativa em relação às questões ambientais (Carvalho et. al. 2012).

Quanto ao setor da construção, segundo Turk (2009), há um número limitado de estudos, considerando os diversos países, sobre a implementação da ISO 14001. Nesses estudos, dois tipos diferentes de metodologias foram verificadas: (1) estudos baseados em uma amostra de empresas da construção e (2) estudos de caso em apenas uma única firma. O autor apresenta um resumo desses estudos, conforme a Figura 1 (Turk, 2009, p. 561).

De acordo com Gangolells et. al. (2010), as baixas taxas de certificação no setor da construção são atribuídas a incerteza causada pela aplicação dos SGA´s baseados nos padrões tradicionais, no nível do projeto (Griffith, Bhutto, 2008). Ao contrário das indústrias de manufatura, a indústria da construção é complexa (Ball, 2002), com produtos exclusivos, que incluem grande variedade de técnicas e sistemas de construção. Além disso, nesse setor, o local de produção é o mesmo onde o produto é utilizado (Hochstadt, 2004). Envolve períodos tipicamente curtos, mas é largamente exposto às condições exteriores. Por esta razão, segundo Hoyle (2004), os sistemas são frequentemente aplicados a partes isoladas ao invés de toda a organização, assim, sua eficácia tem sido questionada.

Testa, Iraldo e Frey (2011) destacam que o desempenho da empresa com a adoção do SGA tem sido investigado, encontrando-se provas que sustentam o efeito positivo da aplicação do SGA (King et. al. 2005; Arimura et. al. 2008; Iraldo et. al. 2009), embora outros estudos tenham obtido resultados divergentes (Dahlstrom et. al. 2003; Barla, 2007). Alguns autores defendem que a implantação de um SGA não garante a melhora do desempenho ambiental da organização (Sekaran, 1992; Nawrocka; Parker, 2009). Mesmo quando uma empresa demonstra um melhor desempenho após implantar um SGA, isto não prova que a melhoria foi causada exclusivamente pelo sistema, sendo bastante aceitável ter sido obtida pela coexistência de outros fatores (Sekaran, 1992).

Figura 1- Resumo de estudos baseados na ISO 14001 na indústria da construção segundo Turk (2009)
Fonte: Adaptado de Turk (2009)

Entre os sistemas de gestão ambiental, a ISO 14000 tem sido amplamente promovida na prática, pois fornece diretrizes para uma organização estabelecer os objetivos da gestão ambiental e se comprometer para um processo confiável e efetivo, de melhoria contínua. Os elementos principais no sistema de gestão ISO 14001 incluem política ambiental, planejamento, implementação e operação, monitoramento e ação corretiva. A ISO 14001 não especifica um padrão de desempenho ambiental. Isso permite estabelecer um processo estruturado para implementar um programa de gestão ambiental (Liyin et. al. 2006). Enfim, os padrões da ISO 14001 não exigem da organização um nível ótimo de desempenho ambiental; contudo, descrevem um sistema para ajudá-la a alcançar seus próprios objetivos (Trierweiller et. al. 2011).

3. Método de Pesquisa

A abordagem metodológica dessa pesquisa é exploratória e descritiva (GIL, 2008). Quanto aos procedimentos e técnicas utilizadas, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, que recorre a recursos tecnológicos para identificação, seleção e indexação dos artigos científicos.

A busca ocorreu em 4 etapas, conforme a Figura 2:

Figura 2 - Delineamento metodológico da pesquisa e sugestões para refinamento
Fonte: Elaborada pelos autores

Essas etapas são detalhadas a seguir:

(a) Definição das palavras-chave em português e em inglês para realização da busca.

(b) Busca dos artigos com entrada no campo “assunto” no Portal de Periódicos da CAPES, das palavras-chave, em dois momentos: (1) em língua portuguesa (“Sistema de Gestão Ambiental” e “Construção Civil”) não tendo sido obtido nenhum registro, assim, partiu-se para entrar com “Gestão ambiental” e “Construção”, refinou-se a busca para filtros de “tópico”: "Gestão ambiental", "Construção sustentável", "Resíduos da construção civil", "Resíduos sólidos" e "Construção industrial". Na sequência, foi delimitado o período de busca (2005 a 2012) com a aplicação do filtro “data de publicação”, tendo sido obtido 39 artigos. (2) em língua inglesa (“Environmental Management System” e “Construction”). Para refinamento da busca, foram definidos filtros de “tópico”, em inglês: “enviromental management”, “enviromental management systems”, “ISO 14001”, ”construction industry”, “enviromental management system”, “construction”, “EMS”, “environmental management system “EMS”” e “ISO 14000”. Na sequência, foi delimitado o período de busca (2005 a 2012) com a aplicação do filtro “data de publicação”, tendo sido obtido 138 artigos.

(c) Leitura dos títulos e resumos (tanto dos artigos em língua portuguesa quanto inglesa) para posterior leitura integral dos artigos com o objetivo de verificar registros duplicados e artigos não alinhados à gestão ambiental e ao setor da construção, o que resultou em 19 artigos em inglês e 4 em português (3 nacionais e 1 de Portugal). Já, neste primeiro momento, pode-se perceber que há poucas publicações brasileiras com foco em questões ambientais no setor da construção.

As tendências de pesquisa e sugestões para trabalhos futuros são comentadas nos tópicos de resultados e conclusões.

4. Análise e Discussão dos Resultados

Neste tópico estão os resultados do tratamento dos dados realizado nos artigos do portfólio, com a apresentação de tabelas e gráficos. Primeiramente, apresenta-se a Tabela 1 com os 5 artigos mais citados ao longo do tempo por autores diversos, obtidos a partir do google acadêmico.

Tabela 1 - Os 5 artigos mais citados ao longo do tempo por autores diversos

Número de Citações

Artigos

Autores

33

Environmental performance measurement indicators in construction

TAM, V.W.Y.; TAM, C.M.; ZENG, S.X.; CHAN, K.K.

31

Towards adoption of prefabrication in construction

TAM, V.W.Y.; TAM, C.M.; ZENG, S.X.; NG WILLIAM, C.Y.

25

The contribution of environmental management systems to the management of construction and demolition waste: The case of the Autonomous Community of Madrid (Spain)

RODRÍGUEZ, G.; ALEGRE, F.J.; MARTÍNEZ, G.

21

The benefits associated with ISO 14001 certification for construction firms: Turkish case.

TURK, A.M.

21

Assessing the levels of material wastage affected by sub-contracting relationships and projects types with their correlations

TAM, V.W.Y.; SHEN, L.Y. ; TAM, C.M.

Fonte: Elaborada pelos autores

A Tabela 2 exibe os 5 autores do portfólio mais citados ao longo do tempo por autores diversos.

Tabela 2 – 5 autores do portfólio mais citados por autores diversos

Número de citações

Autores

85

TAM, C.M

85

TAM, V.W.Y.

64

ZENG, S.X

33

CHAN, K.K.

31

NG, W.C.Y.

Fonte: Elaborada pelos autores

A Figura 3 apresenta a abordagem metodológica da pesquisa: qualitativo, quantitativo ou quali-quantitativo.

Figura 3 - Abordagem metodológica da pesquisa
Fonte: Elaborada pelos autores

A Figura 4 mostra o país de origem da universidade/empresa, a qual o autor é filiado, declarada no artigo.

 

Figura 4 – País de origem da universidade/empresa, a qual o primeiro autor é filiado
Fonte: Elaborada pelos autores

Os assuntos mais abordados e os respectivos autores são listados na Tabela 3:

Tabela 3 – Assuntos mais abordados e autores nos artigos do portfólio

Assuntos mais abordados

 

Número de artigos relativos ao assunto

Gestão de resíduos

 

 

 

ISO 14001

 

 

 

 

SGA na construção Civil

 

 

 

Construção de habitações

1.

2.

3.

4.

1.

2.

3.

4.

5.

1.

2.

3.

4.

1.

2.

Rodríguez et. al. (2006)

Azevedo et. al. (2006)

Barros e Jorge (2008)

Tam et. al. (2005)

Geipele e Tambovceva (2011)

Rodríguez et. al. (2011)

Turk (2009)

Selih (2007)

Lam et. al. (2011)

Selih e Srdic (2011)

Sakr et. al. (2009)

Cosgun e Esin (2005)

Gangolells et. al. (2010)

Leonard (2008)

Florim e Quelhas (2005)

Fonte: Elaborada pelos autores

A partir da Tabela 3, pode-se observar a tendência em abordar o assunto “ISO 14001” nos artigos em língua inglesa e, de modo geral, as empresas da construção civil estão buscando maior alinhamento com as questões ambientais. Depois disso, há um empate entre artigos que tratam do tema “SGA na construção Civil” e “Gestão de Resíduos”, temas que tratam as questões ambientais de forma mais primária e superficial que, o assunto “ISO 14001”.

Um dos temas de interesse neste artigo é verificar os autores que tratam dos benefícios e dificuldades na implementação da ISO 14001 no setor da construção. Turk (2009) apresenta uma tabela com os benefícios e dificuldades para implementação da ISO 14001, resultante de estudos anteriores, de outros pesquisadores. Dessa forma, no presente artigo, com o objetivo de atualizar este levantamento, apresenta-se a Tabela 4, que complementa esta listagem incluindo os autores do portfólio (Šelih, 2007; Geipele, Tambovceva, 2011; Sakr et. al. 2010); além disso, também foram incluídos os resultados do próprio Turk (2009), que no artigo original eram apresentados de forma dispersa no texto.

Tabela 4-
Barreiras e dificuldades para implementação da ISO 14001 – setor da construção –
segundo autores elencados por Turk (2009) e autores do portfólio de artigos

Empresas da construção

Benefícios – ISO 14001

Dificuldades – ISO 14001

Hong Kong

Proteção ambiental, minimização do risco ambiental, imagem ambiental positiva e diminuição de custos devido a conformidade com as diretrizes ambientais (Shen, Tam, 2002).

 

Aumento dos custos gerenciais, falta de pessoal qualificado, de cooperação entre os subcontratados, de suporte ao cliente (Shen, Tam, 2002).

Elevados custos, falta de pressão do governo e de suporte ao cliente, (Tse, 2001).

China

Análise sob 5 perspectivas: (1) operações internas (padronização da gestão), (2) gestão corporativa (a certificação é vista como proteção de recursos e minimização de resíduos), (3) efeitos de mercado (ganho de confiança junto aos clientes), (4) relações com os subcontratados e (5) limpeza do canteiro de obras  (Zeng et. al. 2003).

 

Altos custos de aplicação e aumento da burocracia (Zeng et. al. 2003). Cinco fatores – (1) regulamentação governamental, (2) tecnologia, (3) pressão competitiva (4) comportamento cooperativo, (5) relação custo versus benefício (não está claro se os benefícios são maiores que os custos) (Chen et. al. 2004).

Cingapura.

Redução do desperdício de material. Para as construtoras a finalidade é aliviar a carga da legislação, proteger o meio ambiente e melhorar a imagem da empresa, maior saúde e segurança no trabalho (OFORI et. al. 2000).

 

Altos custos e falta de suporte ao cliente (Ofori et. al. 2000).

Turquia

Melhora da consciência ambiental da empresa, padronização na gestão ambiental, diminuir os impactos sobre o ambiente e melhoria da imagem (Turk, 2009).

 

A gestão da empresa não é aberta para a crítica, longo período para certificação, aumento da burocracia e altos custos de implementação (Turk, 2009).

Eslovênia

Vantagem competitiva.

 

Barreiras externas – descontentamentos com os processos de certificação, altos custos de implementação, incertezas sobre os benefícios mercadológicos do SGA, falta de orientação especifica para o setor (Šelih, 2007).

Barreiras internas – falta de recursos humanos (geralmente é mais importante que barreiras financeiras), de informação sobre o SGA e seus benefícios, de empenho de funcionários e empresários (Šelih, 2007).

Letônia

A política ambiental é percebida como o elemento mais fácil para implementação (Geipele, Tambovceva, 2011).

 

Aspectos legais (Geipele, Tambovceva, 2011).

Egito

Aumento da competitividade e entrada em mercados mais amplos (Sakr et. al. 2010).

 

Para os empreiteiros não certificados: falta de conhecimento adequado sobre os benefícios da ISO 14001 (Sakr et. al. 2010).

Reino Unido

Proteção do meio ambiente, custos operacionais reduzidos, acesso a mercados; melhoria do desempenho ambiental; da satisfação do cliente; da imagem corporativa, envolvimento e educação dos funcionários, e melhores condições para competir no comércio mundial..

 

A melhoria contínua do desempenho ambiental torna-se cada vez mais difícil e dispendiosa

Fonte: Elaborada pelos autores.

A maioria dos estudos apresentados na Tabela 4 coloca como barreira para implementação do SGA os altos custos exigidos; além de outros motivos como a falta de pessoal qualificado (recursos humanos) e de conhecimento sobre os benefícios da implementação da certificação ISO 14001.

Dentre os motivos para a certificação, para Rodriguez et. al. (2011) estão: adaptação à legislação ambiental (Fundación Entorno, 2003); melhoria da imagem (Turk, 2009); melhoria do desempenho ambiental (Fryxell, Szetol, 2002); aumento da consciência ambiental dos empregados (Fryxell, 2004; Turk, 2009; Matouq, 2000; Valdez, Chini, 2002), atendimento das demandas de mercado. Já, o principal obstáculo que geralmente as empresas enfrentam é o investimento em recursos materiais e humanos (Sakr et. al. 2010; Ofori et. al. 2002; Fundación Entorno, 2003). Segundo Liyin et. al. (2006), os problemas para implementação da ISO 14000 na construção são: conflito entre custo e desempenho ambiental; cultura ambiental passiva; falta de suporte ao cliente; confronto entre tempo de contrato e melhoria do desempenho ambiental.

5. Conclusão

O objetivo deste estudo foi analisar a publicação sobre o tema gestão ambiental no setor da construção em periódicos científicos nacionais e internacionais, consequentemente, em língua portuguesa e inglesa para, a partir desse levantamento, identificar oportunidades de pesquisa no tema. Destaca-se que, o foco de análise foram os artigos que abordavam o tema no período de 2005 a 2012, tendo sido identificada oportunidades de pesquisa. Observou-se a tendência em abordar o assunto “ISO 14001”, principalmente, nos artigos em língua inglesa, em que as empresas do setor da construção estão demonstrando preocupação com as questões ambientais. Outros temas, mais tratados nos artigos do portfólio, dizem respeito ao “SGA na construção Civil” e “Gestão de Resíduos”; contudo, são mais superficiais se comparados ao assunto “ISO 14001”.

A maioria dos artigos do portfólio coloca como barreira para implementação do SGA, os altos custos exigidos. Também citam a falta de recursos humanos qualificados e de conhecimento sobre os benefícios da implementação da certificação ISO 14001. E ainda, destaca-se a importância de posicionar a gestão ambiental de forma estratégica, especificamente no setor da construção, em que a organização é estruturada por projetos (temporária) e mesmo assim, tem que estar alinhada a uma estrutura mais permanente como o Sistema de Gestão Ambiental.

Como limitações deste artigo, deve-se considerar que os critérios bibliométricos utilizados estão atrelados às escolhas de busca, originalmente definidas pelos pesquisadores, o período selecionado, por exemplo. Quanto aos trabalhos futuros para refinamento da seleção de referencial teórico sobre o tema, sugere-se realizar uma análise qualitativa dos autores citados nos artigos do portfólio (nas referências). Assim, maior aprofundamento pode ser dado ao estudo, contribuindo para ampliar as oportunidades de pesquisa no tema.

Enfim, o desenvolvimento deste artigo, a partir de um ensaio exploratório, contribuiu para vislumbrar o panorama da produção acadêmica com foco em gestão ambiental no setor da construção, bem como consolidar a importância dos estudos neste tema.

Referências

Arimura, T.; Hibiki, A.; Katayama, H. (2008); “Is a voluntary approach an effective environmental policy instrument? A case for environmental management systems”, Journal of Environmental Economics and Management, (55), 281-295.

Azevedo, G.O.D.; Kiperstok, A.; Moraes, L.R.S. (2006); “Resíduos Da Construção Civil Em Salvador: Os Caminhos Para Uma Gestão Sustentável”, Engenharia Sanitária Ambietnal, 11(1), 65-72.

Ball, J. (2002); “Can ISO 14000 and eco-labelling turn the construction industry green?”, Building and Environment, 37(4), 421-8.

Barla, P. (2007); “ISO 14001 certification and environmental performance in Quebec’s pulp and paper industry”, Journal of Environmental Economics and Management, 53, 291-306.

Barros, E.; Jorge, F.C. (2008); “Gestão de RCD-resíduos de construção e demolição, na obra de ampliação do Aeroporto Francisco Sá Carneiro”, Revista da Faculdade de Ciência e Tecnologia, 62-74.

Campos, L.M.S.; Melo, D.A. (2008); “Indicadores de desempenho dos Sistemas de Gestão Ambiental (SGA): uma pesquisa teórica”, Revista Produção, 18(3), 540-555.

Carvalho, D.N.; Santos, T.H.S.; Trierweiller, A.C.; Campos, L.M.S; Bornia, A.C. (2012); “Gestão Ambiental: um Levantamento da Produç?o Científica Brasileira Divulgada em Periódicos da Área de Engenharia de Produção”. In: Anais... XXXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social: As Contribuições da Engenharia de Produção, Bento Gonçalves/RS.

Chen, Z.; Li, H.; Hong, J. (2004); “An integrative methodology for environmental management in construction”, Automation in Construction, 13, 621–8.

Christini, G.; Fetsko, M.; Hendrickson C. (2004); “Environmental Management Systems and ISO 14001 Certification for Construction Firms”, ASCE Journal of Construction Engineering and Management, 130(3), 330-6.

Cosgun, N.; Esin, T. (2006); “A study regarding the environmental management system of ready mixed concrete production in Turkey”, Building and environment, 41(8), 1099-1105.

Dahlstrom, K.; Howes, C.; Leinster, O.; Skea, J. (2003); “Environmental management systems and company performance: assessing the case for extending risk-based regulation”, European Environment, 13, 187-203.

Delmas, M.A. (2002); “The diffusion of environmental management standards in Europe and in the United States: an institutional perspective”, Policy Science, 35, 91–119.

Fergusson, H.; Langford, D. (2006); “Strategies for managing environmental issues in construction organizations”, Engineering, Construction and Architectural Management, 13(2), 171-185.

Florim, L.C.; Quelhas, O.L.G. (2005); “Gestão do projeto habitacional com foco em conceitos da construção sustentável”, Vértices, 7(1), 71-86.

Fryxell, G.E.; Szeto, A. (2002); “The influence of motivations for seeking ISO14001 certification: an empirical study of ISO 14001 certified facilities in Hong Kong”, Journal of Environmental Management, 65(3), 223-238.

Fryxell, G.E.; Wing-Hung, L.O.C.; Chung, S.S. (2004); “Influence of motivations for seeking ISO 14001 certification on perceptions of EMS effectiveness in China”, Environmental Management, 33(2), 239-251.

Fundación Entorno. (2003), Entorno Baetica, Madrid.

Gangolells, M.; Casals, M.; Gassó, S.; Forcada, N.; Roca, X.; Furtes, A. (2010); “Assessing concerns of interested parties when predicting the significance of environmental impacts related to the construction process of residential buildings”, Building and environment, 46(5), 1023-1037.

Geipele, I.; Tambovceva, T. (2011); “Environmental management systems experience among Latvian construction companies”, Technological and Economic Development of Economy. 595.

Gluch, P. (2009); “Unfolding roles and identities of professionals in construction projects – exploring the informality of practices”, Construction Management and Economics, 27(10), 959-68.

Gluch, P.; Räisänen, C. (2012); “What tensions obstruct an alignment between project and environmental management practices?”, Engineering, Construction and Architectural Management, 19(2), 127-140. 

Griffith, A.; Bhutto, K. (2008); “Contractors’ experiences of integrated management systems”, Management, Procurement and Law, 161(3), 93-8.

Hochstadt, S. (2004); “The Europeanisation of the construction industry”, Talk given at the EU & Japan Workshop on corporate social responsibility & changing wage systems e the role of trade unions, Tokyo, Japan.

Hoyle, D. (1998) “Quality systems handbook”, oxford: butterworth-heinemann.

Iraldo, F.; Testa, F.; Frey, M. (2009); “Is an environmental management system able to influence environmental and competitive performance? The case of an ecomanagement and audit scheme (EMAS) in the European Union”, Journal of Cleaner Production, 17, 1444-1452.

Kein, A.T.T.; Ofori, G.; Briffet, C. ISO 14000. (1999); “Its relevance to the construction industry of Singapore and its potential as the next industry milestone”, Construction Management and Economics, 17(4), 449-46.

King, A.; Lenox, M.; Terlaak, A. (2005); “The strategic use of decentralized institutions: Exploring certification with the ISO 14001 management standard”, Academy of Management Journal, 48, 1091-1106.

Lagodimos A.G; Chountalas P.T; Chatzi K. (2007); “The state of ISO 14001 certification in Greece”, Journal of Cleaner Production, 15, 1743–54.

Lam, P.T.I.; Chan, E.H.W.; Chau, C.K.; Poon, C.S. (2011); “Environmental management system vs green specifications: How do they complement each other in the construction industry?”, Journal of Environmental Management, 92(3), 788-795.

Leonard, D. (2010); “Quality management practices in the US homebuilding industry”, The TQM Journal, 22(1), 101-110.

Liyin, S.; Hong, Y.; Griffith, A. (2006); “Improving environmental performance by means of empowerment of contractors”, Management of environmental quality: an international journal, 17(3), 242-257.

Matouq, M. (2000); “The ISO 14001 EMS implementation process and its implications: a case study of central Japan”, Environmental Management, 25(2), 177-188.

Mori, Y.; Welch, E.W. (2008); “The ISO 14001 environmental management standard in Japan: results from a national survey of facilities in four industries”, Journal of Environmental Planning and Management, 513, 421–45.

Nawrocka, D.; Parker, T.; (2009); “Finding the connection: environmental management systems and environmental performance”, Journal of Cleaner Production, 17, 601–607.

Ofori, G.; Gang, G.; Briffett, C. (2002); “Implementing environmental management systems in construction: lessons from quality systems”, Building and Environment, 37(12), 1397-140.

Ofori, G; Briffett, C; Gang, G; Ranasinghe, M. (2000); “Impact of ISO 14000 on construction enterprises in Singapore”, Construction Management and Economics, (8), 935–47.

Perotto, E.; Canziani, R.; Marchesi, R.; Butelli, P. (2008); “Environmental performance, indicators and measurement uncertainty in EMS context: a case study”, Journal of Cleaner Production, 16, 517-530.

Rodriguez, G.; Alegre, F.J; Martinez, G. (2000); “The contribution of environmental management systems to the management of construction and demolition waste: the case of the autonomous community of Madrid (Spain)”, Resources Conservation and Recycling, 50(3), 334–49.

Sakr, D.A.; Sherif, A.; El-Haggar, S.M. (2010); “Environmental management systems’ awareness: an investigation of top 50 contractors in Egypt”, Journal of Cleaner Production, 18, 210–218.

Sekaran, U. (1992); “Research methods for business: A skill building approach”, John Wiley & Sons, NY.

Šelih, J. (2007); “Environmental management systems and construction SMEs: a case study for Slovenia”, Journal of Civil Engineering and Management, 13(3), 217-226.

Seopan. (1992); (Asociación de Empresas Constructoras de Ámbito Nacional), “Estudio sobre la construcción y el medio ambiente”. SEOPAN, Madrid.

Shen L.Y; Tam V.W.Y. (2002); “Implementation of environmental management in the Hong Kong construction industry”, International Journal of Project Management, 20, 535–43.

Srdi?, A.; Šelih, J. (2011); “Integrated quality and sustainability assessment in construction: a conceptual model”, Technological and Economic Development of Economy, 17(4), 611-626.

Tam, V.W.Y.; Shen, L.; Tam, C. (2007); “Assessing the levels of material wastage affected by sub-contracting relationships and projects types with their correlations”, Building and environment, 42(3), 1471-1477.

Tam, V.W.Y.; Tam, C.M.; Zeng, S.X.; Chan, K.K. (2006); “Environmental performance measurement indicators in construction”, Building and environment, 41(2), 164-173.

Tam, V.W.Y.; Tam, C.M.; Zeng, S.X.; NG, W.C.Y. (2007); “Towards adoption of prefabrication in construction”, Building and environment, 42(10), 3642-3654.

Testa, F.; Iraldo, F.; Frey, M. (2011); “The effect of environmental regulation on firms’ competitive performance: The case of the building & construction sector in some EU regions”, Journal of Environmental Management, 92, 2136-2144.

Trierweiller, A.C.; Peixe, B.C.S; Campos, L.M.S.; Bornia, A.C. (2011); “Selection Process Theoretical Framework: Environmental Performance Evaluation”, In: Anais… 3rd International Workshop Advances in Cleaner Production, Cleaner Production Initiatives and Challenges for Sustainable World, São Paulo, SP.

Tse, Y.C.R. (2001); “The implementation of EMS in construction firms: case study in Hong Kong”, Journal of Environmental Assessment Policy and Management, 3(2), 177–94.

Tukker, A.; Huppes, G.; Guinée, J.; Heijungs, R.; de Koning, A.; Van Oers, L.; Suh, S.; Geerken, T.; Van Holderbeke, M.; Jansen, B.; Nielsen, P. (2006); “Environmental Impact of Products (EIPRO), analysis of the life cycle environmental impacts related to the final consumption of the EU-25”, Main report, IPTS/ESTO project, [Acesso em: julho de 2012]. Disponível em: http: www.wwf.org.uk/filelibrary/pdf/innovationreport.pdf.

Turk, A.M. (2009); “The benefits associated with ISO 14001 certification for construction firms: Turkish case”, Journal of Cleaner Production, 17, 559-569.

Turk, A.M. (2006); “ISO 9000 in construction: an examination of its application in Turkey”, Building and Environment, 4(4), 501–11.

Unep. (2007); “Buildings and Climate Change e Status, Challenges and Opportunities”, United Nations Environment Programme.

Unep. (1996); “The construction industry: building for sustainability?”, Industry and Environment, 19 (2), 3.

Valdez, H.E; Chini, A.R. (2002); “ISO 14000 standards and the US construction industry”, Environmental Practice, 4(4), 210–9.

Weaver, G.H. (1996); “Strategic environmental management: using TQEM and ISO 14000 for competitive advantage”, New York, NY: Wiley.

Zeng, S.X; Tam, C.M; Deng, Z.M; Tam, V.W.Y. (2003); “ISO 14000 and the construction industry: survey in China”, Journal of Management in Engineering, 19(3), 107-15.


1 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – SC - Brasil Email: lucila@deps.ufsc.br
2 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – SC - Brasil Email: andreatri@gmail.com
3 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – SC - Brasil Email: cezar@deps.ufsc.br
4 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – SC - Brasil Email: danielly_imb@hotmail.com
5 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – SC - Brasil Email: thiago.henriquee@uol.com.br
6 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – SC - Brasil bleniocsp@gmail.com


Vol. 34 (4) 2013
[Índice]

[En caso de encontrar algún error en este website favor enviar email a webmaster]